Arquivo da categoria: mulher

Mulherzinha

Upload Plaatjes.nl - Gratis al je plaatjes en foto's uploaden
Um mês antes do Dia dos Namorados, decidi começar a fazer um scrapbook. Comprei um caderno pequeno, personalizei as páginas, colei fotos, recortei papéis coloridos, elaborei frases, comprei fitas e botões. Tive um trabalho imenso, fiquei acordada até tarde por várias noites seguidas para conseguir terminar a tempo. Em outra data comemorativa, presenteei meu namorado com um baralho personalizado – cada carta continha um motivo para amá-lo. Foram 52 cartas com frases e colagens. E enquanto eu cortava, colava e escrevia, observava os olhares curiosos – e atravessados – da família. Traduzindo o que sua mente pensava no mais delicado eufemismo que conseguiu encontrar, minha irmã disparou: “Você é mulherzinha.”
E sou mesmo.
Gosto de surpresas e de cuidados. Abrir a porta do carro, diminuir a velocidade do passo pra acompanhar a minha tentativa de equilíbrio em cima de um salto, flores, ligação pra dar bom dia, atitudes inesperadas, demonstração de interesse no que falo – mesmo que não seja nada interessante. Relacionamento é zelo. E tem que ser via de mão dupla.

Não nasci pra fazer papel de homem. Pode me chamar de ultrapassada e antiga. Pode me dizer que estamos no século XXI e que o tempo da sociedade patriarcal passou. Pra mim, algumas coisas simplesmente não deveriam mudar. Homem tem que pedir em casamento, homem tem que ser provedor, homem tem que ser homem. E entenda bem: ser homem não significa ser um macho primitivo, ignorante e grosseiro. Não significa pagar a conta e por isso, sentir-se no direito de maltratar sua companheira. Não significa inferiorização. Não significa colocá-la em uma posição humilhante e submissa a todas as suas vontades. 
Significa mais do que qualquer outra coisa, ter afeto, cuidado e atenção. 
Por outro lado, também não nasci pra ser Amélia. Cozinho – mal – por brincadeira, não tenho dom para ser faxineira, nem quero viver uma vida anulada em prol da criação dos filhos. Quero uma carreira, ter meu dinheiro, encontrar com minhas amigas de vez em quando e tempo para academia. Mas, ainda quero aprender sim a cozinhar, quero manter a minha casa organizada e limpa, quero educar meus filhos da melhor forma que puder. E quero um marido que me ajude em tudo isso. 
Aplaudo em pé e agradeço pelas conquistas que o movimento feminista trouxe para as mulheres. Mas, acredito que as coisas perderam o foco. Bacana a igualdade entre homens e mulheres no que diz respeito à remuneração, direito a voto, e tudo mais. Pra mim o foco se perde quando vejo mulheres defendendo que podem e devem comportar-se como homens. Perder as contas de quantas beijou numa noite, ir pra cama com outras várias, trair e beber até cair: tudo isso é feio quando é feito por um homem. Mas, torna-se ridículo quando feito por uma mulher. Não somos iguais – é contra a própria natureza afirmar o contrário – e só quem perde querendo igualar-se em comportamentos tão degradantes é a própria mulher. 
Nós mulheres somos capazes sim, de sustentar uma família. Podemos ter voz de comando dentro de casa, podemos trabalhar e deixar nossos maridos cuidando dos filhos. Podemos pagar ou dividir uma conta. Podemos fazer um casamento surpresa pro nosso namorado porque estávamos com vontade de casar e faltou atitude da parte dele. Mas, no fundo, não queremos isso. Cada um de nós exerce funções fundamentais dentro de um relacionamento. A medida de todas as coisas tem que ser o equilíbrio e não a luta entre duas forças tão distintas – mas que se completam. 
Anúncios